Poema

Sem culpa

 
 Acordar pela manhã, e ver o sorriso do sol encobrindo toda a tristeza do pesadelo de um sonho, culpar a áurea pela desilusão do dia anterior, nem pensar, afogar as insanidades que permeavam toda a noite e a cada segundo que tilintava em meus minutos avisando a chegada do dia. Ah! vou seguir em frente, desbravando todo o arbusto da insensatez que tentou me aprisionar. Vou esticar o corpo em alongamentos alimentados pelo fundo musical dos pássaros que neste momento sobrevoam meu jardim e carregam em suas asas o abrigo da chegada. O reflexo na paisagem quando olho pela janela de meus olhos, contemplo a cumplicidade dos raios solares com o doce orvalho da manhã, exalando o cheiro do campo e o encanto do beija flor, sim em um balé suave e repentino intensamente e surge sugando o néctar do hibisco e partilhando comigo o cenário mágico de apreciar a paisagem lá fora. Viver é caminhar entre árvores pelas trilhas que o seu desejo recorda, repeitando e respirando a natureza pura que me recebe de braços abertos inundando meu ser com suas águas cristalinas da queda d água de minha juventude. Então eu sigo em frente, plantando a semente do amor redescoberto debaixo das páginas de um livro antigo, quando o poeta declara: Quero viver sem culpa, e saber que é melhor que sonhar. Viver é o ato no desacato da mesmice e seguir em frente, renovando a mente. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *